quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Estudo identifica 50 oportunidades de negócio no e-commerce

Fonte: ASN

O comércio online no Brasil ainda oferece grandes oportunidades de negócios, principalmente por ter um mercado formado por mais de 51 milhões de consumidores. Segundo estudo do Sebrae, existem mais de 50 nichos para as micro e pequenas empresas investirem no e-commerce, como venda de roupas vintage, acessórios para a prática esportiva e fotográfica, instrumentos musicais, utensílios para o lar, entre outros itens e serviços ainda pouco explorados na web. Essas oportunidades de negócio serão discutidas na Feira do Empreendedor, evento do Sebrae no Rio de Janeiro, que ocorrerá de 27 a 30 de novembro, na capital fluminense. Acesse aqui o site para visualizar o estudo.

Na área de saúde e bem-estar, por exemplo, o empreendedor pode apostar na venda de produtos diet, medicamentos para homeopatia, vídeoaulas, livros e até serviços como exames para medir o colesterol. Já no segmento de festas, o Sebrae identificou oportunidades para aluguel e venda de fantasias, bolo de noivas, enfeites e outros itens que não são normalmente ofertados por grandes empresas.
De acordo com o presidente do Sebrae, Luiz Barretto, compreender e atender às necessidades específicas dos clientes é fundamental para o sucesso em um novo nicho de mercado. “O mundo digital representa um imenso mercado e os pequenos negócios não podem ficar fora desse universo”, pondera. 
Para chegar à lista de 50 oportunidades de negócios eletrônicos, o Sebrae identificou, a partir da análise de mais de 50 mil  palavras, aquelas mais procuradas em portais de busca, mas com baixo nível de concorrência no e-commerce. A maior parte desses verbetes estava relacionada a produtos do varejo mais consumidos pela população, que constam na Pesquisa de Orçamento Familiar do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 
Também foram levadas em consideração as palavras-chave relacionadas na cartilha Ideias de Negócios, do Sebrae, em que há informações essenciais sobre opções de empreendimentos para as micro e pequenas empresas. O estudo também levantou os verbetes de negócios e serviços mais procurados no portal da instituição.   
Para encontrar um nicho, o Sebrae orienta a fazer sete ponderações:
1) As pessoas querem o que você está vendendo ou você terá que convencê-las a comprar o seu produto ou serviço?2) Vale a pena se especializar?3) Já há concorrência neste nicho?4) E como ela está?5) O seu mercado potencial é grande o suficiente para ser considerado um lucrativo?6) O seu nicho é fácil de ser acessado pelos meios de comunicação online?7) Qual o diferencial que o torna tão especial e único frente à concorrência?
Teste um nicho
Um dos propósitos de investir em um nicho é a possibilidade de alcançar a liderança e conquistar esse mercado. Para isso, o Sebrae sugere as seguintes estratégias iniciais: 
*Criação de um blog com dicas, curiosidades, análises, tendências, estudos, críticas e mais informações sobre a categoria que se quer trabalhar
*Venda de algumas unidades do produto ou serviço via marketplaces, como Mercado Livre, OLX, Bom negócio, entre outros. Esses sites têm tráfego de pessoas querendo comprar algo e servem para testar o interesse
*Criação de uma landingpage, que é um site de uma página, que explica a sua ideia ou conceito, com um objetivo claro para o usuário*Elaboração de uma página ou grupo em uma rede social para encontrar pessoas dentro do seu nicho
  

Mais informações:
Assessoria de Imprensa Sebrae
(61) 3243-7851
(61) 3243-7852
(61) 2104-2768
(61) 2104-2770

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Pequenos negócios devem se planejar para participar da Black Friday

Fonte: ASN

Com planejamento e organização, as micro e pequenas empresas podem participar da Black Friday 2014, nova data de promoções do comércio brasileiro, e fazer bons negócios. Em sua quinta edição no Brasil, a iniciativa, que acontece no próximo dia 28 de novembro, deve ultrapassar a marca de R$ 1 bilhão em pedidos feitos em 24 horas. Nesse contexto, os pequenos negócios têm uma excelente oportunidade pela frente. Para isso, o Sebrae preparou dicas para os empreendedores que pretendem faturar com a data. 
O primeiro passo para quem pretende aderir ao evento é selecionar cuidadosamente os produtos que serão colocados em promoção. Na Black Friday, os consumidores buscam oportunidades pontuais, mas também esperam realizar sonhos de consumo antigos. Por isso, pesquisar os itens mais desejados em cada ramo de atividade pode ser um bom ponto de partida.  A BlackFriday teve início no ambiente virtual, mas muitas lojas físicas também aderiram às promoções. O evento dá início à temporada de compras de fim de ano, que culmina com o Natal. Para o presidente do Sebrae, Luiz Barretto, é importante que os pequenos negócios aproveitem a data para potencializarem seus empreendimentos. “O comércio é um setor estratégico. Metade das micro e pequenas empresas atua nesse segmento e é fundamental aproveitar todos os espaços que surgem.” Para isso, segundo Barretto, é crucial que os empresários busquem se qualificar para enfrentar a elevada concorrência. 
O segundo passo é definir a porcentagem dos descontos que serão oferecidos. Nesse momento, é importante estudar a margem de lucro de cada produto e negociar parcerias com os fornecedores. Oferecer descontos indiscriminadamente pode colocar em risco a saúde financeira da empresa. Ter um bom controle de seus custos será importante para definir a viabilidade da participação no evento. Os produtos mais procurados na Black Friday estão nos segmentos de informática, eletrônicos, eletrodomésticos, moda e acessórios, além de telefonia e celulares.
É fundamental que haja transparência na definição dos descontos sem camuflar os preços antes da promoção. Nesse sentido, o Sebrae estimula os empreendedores a buscarem o selo Black Friday Legal, que é conferido pela Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico, parceira do site Busca Descontos (organizador da Black Friday no Brasil). Para obterem o selo, as empresas não precisam pagar nada, apenas concordarem com o código de ética proposto pela entidade e assinarem um termo de compromisso de não “maquiarem” seus preços.
A pequena empresa Casa da Sogra Enxovais (www.casadasograenxovais.com.br), com sede em São Paulo, por exemplo, conseguiu bons resultados no ano passado vendendo roupa de cama, mesa e banho pela internet. Desde que a Black Friday é realizada no Brasil, a loja virtual oferece descontos em seus produtos na tentativa de pegar carona com o dia de promoções do e-commerce. Mas foi somente em 2013, quando as irmãs Simone e Roberta Saleh decidiram planejar a participação no evento, que a loja conseguiu resultados efetivos nas vendas. Em um único dia, os pedidos aumentaram mais de quatro vezes e o faturamento cresceu 40%. “Na Black Friday, em 2012, recebemos 50 pedidos e, em 2013, foram mais de 200”, conta a coordenadora de marketing da empresa e responsável pela ação, Ainá Paolillo.

Preparo
Os bons resultados só foram alcançados graças ao planejamento feito pela empresa com meses de antecedência. Os funcionários foram orientados sobre as políticas de vendas, de trocas e de entregas durante a Black Friday e receberam treinamento para atender da melhor forma possível o maior número de clientes. Além disso os produtos com descontos foram cuidadosamente estudados e o site recebeu uma nova identidade visual, com banners de publicidade indicando que a loja participava da iniciativa.
A livraria carioca Lei Nova, especializada em livros jurídicos, avalia que a Black Friday é uma excelente oportunidade para conquistar novos clientes. Segundo Hugo Martins, responsável pela gestão da tecnologia da informação da livraria, a exposição da empresa durante o dia de promoções no ano passado resultou em um aumento de 70% nas vendas do mês de novembro e trouxe novos clientes potenciais. “Mais da metade das pessoas que visitaram o site durante a Black Friday de 2013 eram novos consumidores”, afirma.
Os bons resultados alcançados na edição passada animaram a empresa a investir ainda mais para aproveitar o evento com o objetivo de fidelizar o cliente. Hugo conta que foi desenvolvido um cadastro para que os visitantes se identifiquem. A partir dessa base de dados, é possível conhecer o perfil do cliente e prestar a ele um atendimento pessoal, próximo do que o consumidor procura.
Sete pontos de reflexão sobre a Black Friday:
1-Quem compra meu produto? E quem pode comprá-lo? Lembre-se de identificar o perfil dos seus clientes
2-Meu produto é comprado esporadicamente ou é de compra regular? Para produtos de compra esporádica, o cliente pesquisará mais e fará comparações. Mas, uma garantia estendida, entrega mais rápida do que os concorrentes ou um brinde diferenciado podem determinar a escolha.
3-Tenho grandes margens ou são apertadas? 
Se você trabalha com margens apertadas, avalie os prós e contras de participar da Black Friday.
4-Quantos e quais produtos ofertar na Black Friday? 
Selecione bem alguns produtos e deixe claro quais são os que estão na Black Friday e quais não estão com descontos.
5-Conceda descontos honestos. Prometa e cumpra! Não faça maquiagem nos preços.
6-Dê segurança para quem quer comprar seu produto.  Prepare seu site para não sair do ar. Se tiver uma quantidade de acessos muito grande disponibilize um número de telefone fixo na sua loja virtual e assegure que seu site está protegido. O cliente precisa se sentir seguro ao escolher comprar em sua loja. 
7-Sua loja está atrativa? Organize sua loja. Lembre-se, na loja virtual, não há o apelo do contato com o produto e, portanto, uma boa apresentação dos produtos fará toda a diferença. 
Mais informações:
Assessoria de Imprensa Sebrae
(61) 3243-7851
(61) 3243-7852
(61) 2104-2768
(61) 2104-2770


quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Série: 10 dicas para E-commerce

A série 10 dicas para E-commerce, feita pelo Sebrae,  traz valiosas dicas sobre fluxo de compra, navegação, feedback, mobilidade e etc. Tem vídeo novo toda quinta-feira, sempre sobre temas que interessam ao seu negócio virtual. No episódio abaixo, você você vai descobrir como o uso de imagens pode contribuir para o aumento das suas vendas online.

video

Para ver os demais vídeos e ficar por dentro de tudo que rola no mundo do e-commerce, acesse o canal do Sebrae no YouTube e a nossa página na internet.  

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

12 estratégias para aumentar as vendas do seu negócio

Fonte: Revista PEGN

Nada assombra mais o empreendedor do que o fantasma da desistência. O que faz com que, entre o primeiro e o segundo clique, o usuário decida que não vai mais comprar? Por que motivo o cliente abandona a loja depois de uma rápida olhada nos produtos? O que faz com que o consumnidor desligue o telefone, antes mesmo de ser atendido pelo operador do call center? Em sua coluna no site da Fast Company, o consultor de vendas Don Peppers listou doze dicas para facilitar o processo de compra e fidelizar o cliente.
No site
- Use procedimentos de navegação básicos, fáceis de seguir.
- Coloque números de telefone para atendimento ao cliente em todas as páginas.
- Insira links do tipo “Fale Conosco” em várias páginas diferentes; tenha o cuidado de mencionar quanto tempo vai demorar até o cliente receber uma resposta.

No call center
- Tenha certeza de que as opções do menu de voz estão em sintonia com as opções mostradas no site.
- Use menus curtos (até o número seis, no máximo), para não abusar da memória do cliente.
- A qualquer momento, dê ao cliente a opção de clicar o número 0 e falar com um atendente

Nas campanhas por e-mail
- Sempre inclua um número de telefone no texto do e-mail.
- Dentro da mensagem, inclua links que levem diretamente para páginas do site relacionadas com o tema abordado.
- Explique todas as alternativas para compra e atendimento.

Na loja física
- Coloque à disposição dos clientes telefones em linha direta com uma Central de Atendimento
- Crie postos de informação com serviços self-service, fáceis de usar
- Disponibilize para os clientes monitores onde possam ver as ofertas do dia no site.

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

8 dicas para comprar bem e sem erro na Black Friday

Fonte: Revista PEGN


Dia 28 de novembro será a próxima Black Friday, que se realiza pela terceira vez no Brasil. No passado, muitas reclamações cercaram a realização do evento. Toda novidade apresentada ao público tem sempre quatro fases ou reações emocionais: primeiro a indiferença, depois a crítica severa, em seguida a aceitação crítica e por último a absorção. A novidade se transforma numa coisa já conhecida, de uso corrente e, portanto, aceita com maior facilidade. A Black Friday está, em 2014, entre a aceitação crítica e a absorção plena.

Para que você tenha certeza de que fará uma compra sem aborrecimentos, recomendamos oito dicas de cuidados e atitudes:

1. Quando uma empresa participa do Black Friday, ela não põe todos os seus produtos em promoção, apenas uma parte deles. Verifique com atenção quais são esses produtos e concentre suas compras neles. Todos eles devem ter a palavra “promoção” em destaque, junto à descrição do produto.



2. Um código de ética foi criado pela Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico – Câmara e-net, para ser seguido pelas empresas que estão participando do Black Friday. Veja se a empresa da qual você quer comprar assinou o documento. Essa é uma garantia a mais de cumprimento das normas de mercado. As empresas que assinaram o código e cometerem ilegalidades poderão ser eliminadas das próximas edições do evento.

3. Uma dica muito importante é a hora da sua compra: o pique de acessos às promoções da Black Friday vai das 11h às 18h. Nesse período, você pode encontrar mais dificuldades de conexão. Comprando fora desse horário, você facilita a sua compra, com um acesso mais rápido, e facilita o atendimento das empresas, que podem lhe oferecer uma conexão mais rápida.

4. Faça suas compras de Natal na Black Friday. Com quase um mês para entregar seu presente para amigos e parentes, nenhuma empresa terá a desculpa da falta de tempo para atender às suas encomendas natalinas. Você evita a loucura das ruas do mês de dezembro e escolhe com mais calma e preços melhores. A antecipação das compras com preços reduzidos é um belo antídoto para a excitação do fim de ano. 

5. O comércio eletrônico brasileiro fará 20 anos de existência em 2015 e está chegando à sua maturidade. Depois da aventura do pioneirismo, chega a consolidação de um setor da economia maduro e responsável, com crescimento previsto para este ano em torno de 20%. 

6. Pesquise preços antes de comprar: mesmo com promoções, haverá valores reduzidos em margens diferentes – de 20 a 30% – nas ofertas das empresas. Se você encontrar um preço menor de um produto numa empresa e de outro numa segunda loja, não se deixe vencer pela comodidade de fazer apenas um pedido: faça dois, três, quantos forem necessários para aproveitar ao máximo os descontos.

7. Ao usar os cartões para pagamentos, use aquele que lhe oferecer as melhores condições para pagamento a partir do dia 28/11. Verifique também se há alguma condição especial no seu cartão para o Black Friday e compare também as taxas de juros vigentes nos seus cartões, se você tiver mais de um. Estamos vivendo dias difíceis, e todas as precauções são importantes.

8. Finalmente, se, com todas essas garantias e precauções, sua compra apresentar problemas, procure a Camara e-net, e o Procon e faça valer seus direitos. 

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Seis dicas para lojistas ganharem a atenção do consumidor no Black Friday

Fonte: Varejista


O Black Friday, que já se consolidou como uma das principais datas do varejo brasileiro, acontece este ano a partir da meia-noite de 28 de novembro. Devido ao grande volume de compras registrado nas últimas edições, grande parte dos varejistas voltam suas atenções ao evento, mas algumas medidas precisam ser tomadas para potencializar as vendas neste dia. 

De acordo com o Busca Descontos – criador do portal www.BlackFriday.com.br – seis ações podem ajudar os lojistas a vender melhor no Black Friday:

1 – Prepare ações de marketing com antecedência, já que a mídia estará mais cara em 28 de novembro;

2 – Seja sincero sobre o valor original do produto, fora do Black Friday;

3 – Facilite o processo de comparação dos produtos em ofertas no site;

4 – Tente ao máximo trazer bons descontos para os seus clientes. É isso que fará a diferença na hora dele decidir onde comprar;

5 - Seja claro sobre os produtos que estão com desconto no Black Friday, com selos, background diferenciados, cores e afins – assim evita-se o cenário do consumidor acreditar que todo o e-commerce está com descontos;

6 – Coloque em promoção os produtos que são realmente procurados e interessam ao consumidor.

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

5 dicas para deixar sua loja mais atrativa aos consumidores

Fonte: Varejista


Segundo pesquisa divulgada pela POPAI (Point of Purchase Advertising International) Brasil em 2014, a aparência da loja é responsável por 83% das decisões de compra. Refletir no espaço comercial a identidade da marca é uma das características que valorizam o ambiente. Para deixar o negócio atraente ao consumidor e com a cara da empresa, a arquiteta Priscila Nunes, sócia-fundadora da Project Plan, listou cinco dicas: 

1. Vitrines causam a primeira impressão

Ter uma loja em que a vitrine acumula poeira e é mal organizada reduz as chances de venda. “A primeira coisa que o cliente vê é a vitrine, por isso a dica é usar o espaço com cautela, sem expor produtos demais”, afirma Priscila. Se a entrada é pequena, a preferência deve ser dada ao acesso dos clientes, ampliando a porta de entrada e transformando o interior da loja em uma grande vitrine. 

2. Acabamento e decoração refletem a identidade da marca

Antes de decidir quais materiais de acabamento e objetos decorativos serão utilizados na loja, é importante considerar o produto que será vendido, o perfil do cliente e a identidade da marca. “Uma empresa que trabalha com artigos e serviços de baixo custo, por exemplo, deve abusar de formicas e madeira. Já para quem atua em um segmento sofisticado são indicados materiais nobres como mármore e granito, combinando com elementos leves como o vidro e o aço inox”, exemplifica Priscila. 

3. Dosar as cores evita erros de combinação

Erros muito comuns em se tratando de cores são: utilizar tons fortes, divergentes da marca e aplicá-los em espaços fechados. “A dica é mesclar cores neutras – como branco, cinza e bege – com as que representam a identidade da marca. Deve-se ponderar na utilização dos tons fortes para não diminuir os espaços”, explica a arquiteta da Project Plan. 

4. A organização dos produtos amplia o espaço

Corredores apertados, produtos empilhados e ambiente desorganizado são alguns dos problemas mais frequentes em lojas de varejo. Segundo Priscila, mais importante que encher as prateleiras e vitrines é oferecer um ambiente confortável aos clientes e funcionários. “A circulação deve ser pensada para que as pessoas transitem tranquilamente sem ficar esbarrando nas coisas e sentindo-se oprimidas”, recomenda. 

5. Lojas confortáveis vendem mais

Ter um espaço comercial projetado para o conforto dos consumidores traz mais seriedade à marca e aumenta as chances de concluir a venda. Fatores como climatização, iluminação, acessibilidade, lugares para sentar e os tradicionais cafezinho e água valorizam o ambiente. Os banheiros, além de respeitarem normas da vigilância sanitária, devem ser projetados para facilitar sua limpeza e manutenção, transmitindo sempre aspecto de novo.

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Óticas como oportunidade para novos negócios


Para muitos brasileiros, os óculos deixaram de ser um incômodo e tornaram-se um acessório de moda. Cada vez mais leves, bonitos e resistentes, os óculos transformaram a imagem desse mercado e representam, para os próximos anos, grandes oportunidades para os pequenos negócios de varejo.

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Agregando valor e serviços às vendas no varejo


Oferecer serviços agregados à venda dos produtos é uma excelente oportunidade de atrair e fidelizar clientes. Acesse aqui o boletim “Serviços agregados no varejo” e inspire-se para inovar na sua empresa!




quarta-feira, 5 de novembro de 2014

No Dia Nacional do Design, aumente a competitividade da sua loja virtual


Em 19 de outubro de 1998, o então Presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, assinou um decreto instituindo o dia 5 de novembro como o Dia Nacional do Design. A data foi instituída em homenagem a um defensor do design no Brasil, o advogado, artista plástico, designer e planejador brasileiro Aloísio Magalhães.

O design tem um papel muito importante quando falamos no sucesso de uma loja virtual, e para comemorar essa data, o SEBRAE lança o infográfico “E-commerce com Design”. Clique na imagem e confira como o design pode ajudar a sua loja virtual a: 

  • Se destacar na web
  • Valorizar os produtos
  • Ter personalidade
  • Ser organizado
  • Agilizar o checkout
  • Se informar
  • Ser multimídia
  • Vender mais
  • E como facilitar o acesso do cliente 

O Designer conhece o mercado e o consumidor. Ele analisa e soluciona problemas com criatividade e capacidade técnica. Por isso, a Equipe de Varejo e Design do SEBRAE parabenizam a todos os designers do Brasil. 

Procure o Sebrae e saiba como utilizar o design para aumentar a competitividade de seu negócio. 

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Série E-commerce - Sebrae


Tem coisa pior que loja que não está preparada para abrir, e deixa o cliente na mão? Se você está pensando em abrir uma empresa online, é necessário fazer um planejamento para que o seu negócio não comece tendo prejuízos.

Para saber mais sobre o planejamento e sobre as finanças de uma loja virtual, assista ao vídeo criado pelo Sebrae, da série E-commerce – Sebrae.

Acesse http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/sebraeaz/O-planejamento-da-loja-virtual-de-sucesso e saiba como sua empresa pode usar a internet para virar um sucesso de vendas.