sexta-feira, 28 de junho de 2013

Como construir uma marca sólida para sua startup

Fonte: PEGN (adaptado)

Um dos grandes desafios de uma startup é criar uma marca identificável por seus consumidores e reconhecida pelo mercado. A marca não se refere somente ao produto. É um emblema de toda a empresa e carrega em si outros elementos, como sintonia com as tendências, gestão profissional e valores. As startups não têm condições de realizar campanhas caras para comunicar isso ao mercado, mas podem construir sua marca utilizando mão de obra própria e ferramentas de baixo ou nenhum custo.

O desenvolvedor, designer e produtor musical Willie Peña elenca quatro passos para construir a marca de uma startup com poucos recursos.

1. Faça pesquisa de mercado
Ao identificar as tendências e as preferências dos consumidores, a startup pode gerenciar sua imagem de forma ativa. Por exemplo, em eventuais mudanças no mercado, quem estiver atualizado em relação às novidades estará um passo à frente da concorrência. Essa pesquisa deve ser feita pela própria startup, que pode utilizar redes sociais, aplicativos específicos, grupos de discussão com consumidores, estudos prévios e até a lista de e-mail. O importante é dialogar com pessoas para as quais o produto ou serviço seja relevante.

2. Alinhe a voz do seu negócio com a do mercado
Sabendo das movimentações do mercado, a empresa se posiciona como pioneira e autoridade no setor em que atua, antevendo as tendências e saindo na frente da concorrência. Segundo Peña, para ter essa vantagem, o empreendedor deve se perguntar:
- O que é valor para a minha audiência?
- Que valores extras a empresa oferece em relação à concorrência?
- Que problemas meu produto pode solucionar?
- O que meu público considera como qualidade?

3. Institua valores para todos os aspectos do negócio
Todos os processos e ações da empresa devem transparecer o compromisso com seus valores, incluindo a atuação em redes sociais, sites e outras formas de comunicação com parceiros, fornecedores e consumidores. Por causa da internet e das redes sociais, as empresas que não têm valores sólidos acabam sendo denunciadas e denegridas em algum momento.

4. Aproveite as possibilidades baratas de marketing
Blogs: são uma forma de o público interagir com a startup e uma ótima plataforma para a empresa disseminar seus valores e anunciar seus diferenciais.
Publicações locais: Peña sugere a contratação de jornalistas freelancers ou de uma assessoria de imprensa para chegar a veículos de comunicação que cubram a localidade onde a startup está baseada.
Fidelidade e depoimentos: como o boca a boca é gratuito e será sempre uma das ferramentas mais poderosas de marketing, a startup pode criar programas de fidelidade e publicar o depoimento dos clientes satisfeitos em sua comunicação.

quinta-feira, 27 de junho de 2013

Encontros põem em debate leis e tributos que impactam o comércio eletrônico



Diante do crescimento das vendas online e das peculiaridades decorrentes de tal relação, tramitam no Congresso diversos projetos de lei sobre o tema. Entender o funcionamento das leis e seus encargos nem sempre representa tarefa fácil para o empresário, ainda mais em uma área recente, como o das vendas pela internet.

Visando contribuir na construção de um cenário cada vez mais favorável aos pequenos negócios virtuais,  o SEBRAE promove Encontros de Legislação e Tributação no Comércio Eletrônico em cinco capitais, com o apoio das entidades do setor. 

Os encontros vão acontecer nas sedes do SEBRAE no Rio de Janeiro (2 de julho), São Paulo (23 de julho), Belo Horizonte (30 de julho), Fortaleza (10 de setembro) e Brasília (24 de setembro). Os eventos têm o objetivo de apresentar o cenário e debater a regulamentação, leis e tributos do comércio eletrônico com os varejistas virtuais. Além disso, o SEBRAE quer ouvir os empresários, conhecer dificuldades com relação à temática  e identificar oportunidades de ações para a melhoria do ambiente legal do e-commerce.

Para mais informações sobre as inscrições do 1º encontro que acontece no Rio de Janeiro (02/07), acesse:

http://www.radiola.com.br/mailmkt/sebrae-ecommerce/sebrae-ecommerce.jpg




quarta-feira, 26 de junho de 2013

Empreendedores capacitados tornam suas lojas mais competitivas

No varejo, a capacitação é o diferencial competitivo que possibilitará o empreendedor a se destacar no mercado e aproveitar as oportunidades com a Copa do Mundo da FIFA 2014.

O comércio varejista teve um acréscimo no movimento de 7% através do encadeamento de compras e vendas entre os setores, o que comprova a necessidade do gestor dos pequenos negócios de estar preparado para atender um crescimento durante o período do evento.
Para essa preparação, o programa SEBRAE 2014 lançou o boletim “Inteligência Competitiva Varejo: Capacitação dos Empreendedores”, com ações para ajudar as empresas durante grandes eventos.

Quer saber mais? Acesse o boletim completo abaixo:


terça-feira, 25 de junho de 2013

3 soluções para melhorar os seus negócios

O comércio de bens, serviços e turismo não para de crescer no Brasil. O setor gera muitos empregos e tem potencial para se desenvolver ainda mais. Sendo assim, o SEBRAE/PR em parceria com a Fecomércio/PR lançaram 3 soluções para melhorar os negócios das empresas da região.
Confira o vídeo abaixo:

video

Quer saber mais? Acesse: www.sebraepr.com.br

segunda-feira, 24 de junho de 2013

Vitrines virtuais que permitem compra pelo celular chegam ao Brasil

Fonte: ESPM

Vitrines virtuais que simulam gôndolas de supermercado estão chegando ao Brasil. Colocadas em locais públicos de grande circulação, os painéis mostram as imagens dos produtos com um código de barras. Ao posicionar o celular em frente ao código, o consumidor adiciona o item a sua compra, que é entregue em casa horas depois.
No início de julho, o supermercado Pão de Açúcar lançou uma vitrine com mais de 300 itens no Shopping Cidade Jardim, na capital paulista. Em setembro de 2011, no Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, o Submarino colocou painéis virtuais na sala de embarque com produtos como livros e eletrônicos.
A tecnologia usada não é novidade. As imagens dos produtos carregam um código de barras chamado QR code, que pode ser identificado pela maioria dos celulares com câmera fotográfica para redirecionar o acesso ao site da loja. A inovação das vitrines está na aplicação desses códigos.

Presente há 15 anos no e-commerce, o Pão de Açúcar lançou os aplicativos de venda on-line em 2010, para Android e iPhone. Para fazer as compras na vitrine, o usuário deve baixar o programa no celular e posicionar a câmera do aparelho em frente ao código do produto escolhido. No caso do Submarino, o usuário deve ter apenas um celular com acesso à internet e um aplicativo leitor de QR code.

Leia a matéria completa aqui

sexta-feira, 21 de junho de 2013

Sebrae atende quase 800 empreendedores durante Feira da ABF

Nacional apoiou caravanas de Minas Gerais, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul e Goiás
O Sebrae marcou presença importante na 22ª Feira Internacional de Negócios de Franquias. O estande da instituição de apoio aos pequenos negócios levou informações e orientações a 783 empreendedores, 331 nas mesas de atendimento e 452 no auditório. O evento foi realizado pela Associação Brasileira de Franchising (ABF), de 12 a 15 de junho, no Expo Center Norte, em São Paulo.

Também houve entrega de aproximadamente 3,5 mil folders com o tema de franquia e 700 sobre o programa Sebrae Mais. "Ainda apoiamos caravanas do Sebrae em Minas Gerais, no Distrito Federal, Mato Grosso do Sul e Goiás", informa João Augusto Pérsico, analista da Unidade de Atendimento Coletivo - Comércio (UACC) do Nacional. "Tudo ocorreu dentro do esperado e planejado", conclui o gerente da UACC, Juarez de Paula.


quinta-feira, 20 de junho de 2013

Empresária aposta no serviço de delivery de sapatos

Fonte: G1  (adaptado)

Pequenos empresários  investem na fabricação própria de sapatos e têm conseguido atrair clientes com diferenciais como atendimento delivery e vendas pela internet. 

video 

Adriana Pedroso é designer de sapatos e, há 3 anos, montou um ateliê em São Paulo, com investimento de R$ 220 mil. Além das vendas na pequena loja, a empresária apostou no delivery, que já é responsável por 15% das vendas. O faturamento anual da empresa é de R$ 1,2 milhão.
Para fazer o pedido, a cliente escolhe o modelo no site e liga para a loja. A empresária separa o sapato escolhido e envia também outras opções, num total de 10 pares, para que a cliente possa experimentar à vontade e fazer as combinações dos sapatos com as peças que tem no guarda-roupa.
A designer é quem cria os modelos. Todos exclusivos. A fabricação é terceirizada. 
Agora, Adriana quer investir mais no serviço de delivery e aumentar o número de clientes cadastradas.

Mercado de  sapatilhas
No Brasil, só no ano passado, a produção de calçados chegou a 790 milhões de pares e movimentou mais de R$ 2 bilhões. Segundo a associação brasileira das indústrias de calçados, hoje, o país é o terceiro maior produtor mundial e o oitavo maior exportador do produto. O empresário Azad Gananian é outro que lucra com a produção e venda sapatos. O negócio é bem antigo, uma herança de família. A empresa fica na Zona Norte de São Paulo, numa área de 700 metros quadrados. Na parte da frente fica a loja e nos fundos, a fábrica. Lá trabalham 12 funcionários.

Rapidez na entrega tem representando um diferencial importante na hora de fechar negócio.

quarta-feira, 19 de junho de 2013

5 dicas de marketing com baixo custo para PMEs

Fonte: D Loja Virtual  (adaptado)




Toda empresa vive de lucro, mas para isso, é necessário vender. De acordo com Guilherme Evangelista, empreendedor e especialista em Marketing de Varejo, para as PMEs o cenário é mais crítico, pois, muitas vezes, existem verbas muito pequenas para estas aplicações e errar pode ser fatal devido ao pequeno fluxo de caixa.
Confira cinco dicas fundamentais de como começar a organizar o marketing da sua empresa, gastando pouco.

1) Pesquise. Descubra quem é seu cliente, onde ele está e porque ele precisa do seu produto. Sabendo disso não perderá tempo e dinheiro tentando vender algo pra alguém que não precisa.

2) Divulgue. Hoje em dia existem dezenas de meios de divulgação, alguns inclusive têm menores custos, como panfletos e jornais de bairro. Você também pode utilizar jornais de grande circulação, rádio ou até mesmo televisão. Estes últimos demandam maior investimento, mas quando bem produzidos e direcionados ao seu público corretamente, trarão alto retorno.

3) Atenda bem. Esse é um ponto controverso da maioria das empresas. Muitas investem quase todos os recursos em produtos, pesquisa e divulgação, mas quando um novo cliente ou até mesmo consumidor fiel precisa da sua empresa eles são atendidos por pessoas de baixa qualificação ou remuneração. Qualifique, remunere bem e exija alto desempenho do seu atendimento, mesmo que seja da sua telefonista ou secretária.

4) Transforme seus produtos em serviços. Hoje não basta mais ter um bom produto, é necessário que se entregue ao cliente algo a mais. Surpreenda! Existem diversas formas de ser feito. São várias opções, como: instalações gratuitas, manutenções preventivas, melhorias gratuitas e tudo que fará seu cliente ser surpreendido de tempos em tempos e nem imaginar em trocar de fornecedor.

5) Tenha presença digital. O Brasil talvez não tenha o maior número de internautas do mundo em relação a sua população, mas com certeza é o um dos países mais apaixonados por internet. Esqueça o preconceito! Ainda engatinhamos neste meio e quem já inseriu sua empresa no mundo digital já começa a colher os frutos. Mídias tradicionais e catálogos já estão migrando. A lista telefônica vai diminuindo enquanto buscadores como o Bing crescem.
Mas um detalhe: sites como conhecemos estão com os dias contados. Atualmente, as plataformas sociais oferecem espaços para manter a marca da sua empresa fazendo sua divulgação e o melhor, promovendo o relacionamento com o cliente.

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Decreto que regulamenta o comércio on-line entra em vigor

Fonte: ABComm (adaptado)


A partir desta amanhã (17), consumidores de sites de compras coletivas ganharão regras específicas para comprar produtos e contratar serviços. Estas lojas on-line ficam obrigadas a detalhar a oferta com informações sobre a quantidade mínima de vendas para efetivação do contrato, o prazo para utilização da oferta e a identificação do fornecedor do produto à venda, entre outras questões. 

Para entidades de defesa do consumidor, estas normas são a maior contribuição do decreto nº 7.962/2013. O documento regulamenta as regras de contratação para todo o comércio on-line, detalhando direitos básicos já contemplados pelo Código de Defesa do Consumidor (CDC), de 1990. A regulamentação faz parte do Plano Nacional de Consumo e Cidadania (Plandec), lançado pela presidente Dilma Rousseff em 15 de março para melhorar a qualidade de produtos e serviços e incentivar as relações de consumo. 


O diretor do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC) do Ministério da Justiça, Amaury Oliva, explica que o decreto tomou forma ao identificarem que muitas das reclamações que chegavam ao órgão diziam respeito à falta de informações de clientes de sites de compras sobre quem vende, sobre o produto e problemas com prazo de entrega. 


- O decreto vem para aperfeiçoar os direitos dos consumidores e reduzir os conflitos de consumo, ampliando o acesso à informação, especificando regras para as compras coletivas e obrigando os sites a dar informações sobre quem vende e as condições de compra. 


Outra ganho do consumidor com as novas regras é que, ao ter uma compra cancelada, o fornecedor de qualquer site de compra terá de comunicar imediatamente a instituição financeira responsável pela cobrança ou administradora do cartão de crédito para que a transação não seja lançada na fatura do consumidor ou seja efetivado o estorno do valor, caso o lançamento já tenha sido feito. 
 
Leia a matéria completa aqui

sexta-feira, 14 de junho de 2013

4 dicas práticas para superar um negócio que deu errado

Fonte: Exame

É inevitável se sentir frustrado quando os erros cometidos resultam no fechamento da empresa. O empreendedor fica com aquela sensação de fracasso, que muitas vezes o impede de tentar de novo. Para Flávia Lippi, coach do Instituto de Desenvolvimento Humano Lippi (IDHL), se uma sucessão de acontecimentos acarreta no encerramento do negócio, o empreendedor não deve focar somente nos erros. “No Brasil, estamos acostumados sempre a comentar o lado bom da trajetória de sucesso”, explica.
A razão para o fechamento de uma pequena empresa costuma estar relacionada a três pontos: perfil do empresário, gestão ou mercado. “Mais do que perder dinheiro, perde-se a autoestima”, completa Reinaldo Messias, consultor do Sebrae-SP.

Desprezar a concorrência, trabalhar com um mix de produtos que não era adequado, apresentar produtos e serviços que não têm a ver com o público-alvo ou não saber lidar com as finanças são algumas possibilidades. Abaixo, veja um passo-a-passo com dicas para pequenos empresários se recuperarem de um negócio mal sucedido.

1. Descanse
Ao decidir encerrar a empresa, o emocional do empreendedor fica bastante abalado. “E, quando a gente começa a pensar nas dificuldades, perdem-se boas oportunidades por medo de empreender”, explica Messias.
Por isso, Flávia afirma que a primeira ação recomendada é descansar. “Esse momento você tem desapegar daquilo que você está abrindo mão”, explica. Seja um dia ou uma semana, o empreendedor deve valorizar esse descanso.

2. Faça uma lista
A autoreflexão é essencial para que a confiança do empreendedor se reestabeleça. “Será que os meus processos estavam alinhados? Canal de vendas, preços, consumidores, como eu fazia a operação acontecer, tinha as pessoas adequadas, sabia gerir bem o negócio?”, indica Messias como questionamentos que o empresário deve fazer.
Em seguida, Flávia recomenda fazer uma lista com as falhas do negócio. “Quando você enumera os erros, você enumera todos os desafios que você tem como empreendedor”, afirma.

3. Busque soluções e novas possibilidades
Para criar novos cenários para novas oportunidades, os especialistas afirmam que é importante que o empreendedor se programe e veja o que realmente precisa melhorar. A capacitação pode ser um curso rápido de gestão ou finanças, por exemplo.
Messias ressalta a importância de refletir sobre detalhes como a escolha de um sócio e uma boa equipe em uma nova empreitada.

4. Foque no espírito empreendedor
“Se você tem medo de errar, você tem medo do aprendizado. O erro é inerente ao aprendizado e o sucesso vem após uma série de falhas”, afirma Flávia. Messias explica que para que o negócio novo tenha sucesso é preciso trabalhar bastante as características empreendedoras.
Flávia também recomenda que o empreendedor passe a estabelecer métricas e um prazo ao testar uma nova ideia de negócio. “O jeito mais fácil de errar é errar o mais rápido possível”, afirma.



quinta-feira, 13 de junho de 2013

Copa das Confederações: varejista deve ter cuidado ao utilizar marcas da FIFA



Especialista alerta que usar símbolos de propriedade da FIFA ou comercializar produtos não licenciados pode render sanções aos comerciantes, além de multa.

O Brasil sediará, de 15 a 30 de junho, a Copa das Confederações. O evento agitará o comércio, principalmente, nas Cidades-Sede, onde acontecerão as partidas: Belo Horizonte, Brasília, Fortaleza, Salvador, Recife e Rio de Janeiro.

Para aumentar o fluxo de clientes em seus estabelecimentos, alguns comerciantes e prestadores de serviços, por desinformação, acabam por utilizar símbolos oficiais da competição ou produtos não licenciados, que são de propriedade intelectual e comercial da FIFA.  “A exclusividade e propriedade da marca impedem que terceiros utilizem tais sinais para identificar produtos ou atividades, sem a devida autorização”, diz o especialista em propriedade intelectual, José Oliveira de Resene.

Resene explica que usar esses símbolos sem autorização pode render sanções ao comerciante.  “Nesses casos, todo o material ilegal, incluindo artigos publicitários e produtos não licenciados são retirados do local e aprendidos. A infração ainda pode acarretar multa, que é definida pelo Poder Judiciário”, alerta o advogado.

Outro cuidado que os varejistas devem ter é averiguar se os produtos que recebem de fornecedores são realmente licenciados, antes de colocarem à venda. Essa verificação de autenticidade pode ser feita junto aos postos de atendimento da FIFA.

Fique de olho! Confira aqui a lista com marcas pertencentes à FIFA

quarta-feira, 12 de junho de 2013

Veterinária aposta em empresa de moda como negócio

Fonte: ASN

Jovem empresária largou profissão para se dedicar ao ramo de confecções

Ter o próprio negócio está entre os maiores sonhos dos brasileiros. De acordo com a pesquisa divulgada pelo Sebrae Global Entrepreneurship Monitor: Empreendedorismo no Brasil – GEM 2012, 43,5% da população de 18 a 64 anos de idade pretende ser o próprio patrão, contra 24,7% dos que preferem uma carreira como funcionário em uma empresa. O levantamento também moestra que 49,6% dos empreendimentos com até três anos de vida estão nas mãos de mulheres, 18,3% são administrados por jovens com idade entre 18 e 24 anos, sendo que 37% deles estão sob o comando de recém-formados em cursos superiores.

É o caso da empresária Jackelyne Ferreira Dutra, de 23 anos, que, em novembro de 2011, abriu as portas da Donna Moça, no Jatahy Shopping, em Jataí, a 325km ao sudoeste de Goiânia. Mesmo recém-formada em Veterinária pela Universidade Federal de Goiás (UFG), Jackelyne preferiu montar um negócio no ramo de confecções. "Gosto muito da veterinária, mas o mundo da moda é meu sonho”, revela.

A loja no shopping não durou muito tempo, pois os altos custos de locação e taxas estavam inviabilizando o negócio. A empresária, então, decidiu mudar sua loja para o centro da cidade, onde criou um ambiente jovem e aconchegante. “Vendo na loja o que gosto de usar. Visito exposições, faço pesquisas em sites, revistas, editoriais de moda e procuro manter-me sempre bem informada dos estilos e tendências das estações”, ressalta, afirmando que trabalha com multimarcas e algumas coleções exclusivas.

Para atingir seu público-alvo, de 15 a 30 anos, a empresária diz que usa duas páginas do Facebook, alimentadas constantemente com novidades e lançamentos da loja por dois funcionários. Também investe em anúncios em revistas, jornais e outras mídias, “mas, na rede social, a resposta é imediata”, observa. Os conceitos de gestão, conta Jackelyne, estão sendo adquiridos em um curso de Administração e no cotidiano do negócio. “Foi muito difícil. Enfrentei dilemas, mas vejo que valeu a pena. Estou realizada fazendo o que gosto”, resume. 

Serviço:
Donna Moça: (64) 3636-9438
Avenida Dorival de Carvalho, 963, Centro – Jataí (GO)
Facebook: https://www.facebook.com/donnamoca / https://www.facebook.com/donnamoca.ii 

Informações à imprensa:
Oficina de Comunicação: (62) 3225-4899
Agência Sebrae de Notícias (ASN Goiás): (62) 3250-2268


terça-feira, 11 de junho de 2013

Presidente da Abcomm lança livro “Gerente de E-commerce”

Fonte: Abcomm


A Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm) surgiu para representar o setor de e-commerce com informações relevantes, além de contribuir com seu crescimento no país. A Associação reúne representantes de lojas virtuais e prestadores de serviços nas áreas de tecnologia da informação, mídia e meios de pagamento, atuando frente às instituições governamentais, em prol da evolução do setor.

Mauricio Salvador, presidente da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm) lançou o livro “Gerente de E-commerce”, um conjunto de ideias, estratégias e dicas de 20 profissionais do segmento. A publicação será adotada como material didático para cursos de MBA e graduação relacionados à área.

“Percebi que o comércio eletrônico muda a vida das pessoas de forma inspiradora. Desde que fundei a Ecommerce School, vi muita gente mudar para um emprego melhor ou abrir o próprio negócio, graças aos nossos cursos. Ver tantas histórias bacanas me motiva a investir em conhecimento para esse mercado. Ao perceber a demanda e ver que eu estava tão próximo de um time de craques dispostos a disseminar conhecimento, nos unimos e começamos o livro”, conclui.

Ainda de acordo com Salvador, um dos grandes motivos da falta de sucesso ao montar uma operação online é que o empreendedor brasileiro tem o perfil de começar a operar na prática antes de buscar conhecimento e se aprofundar sobre o assunto.

“O livro é feito por quem trabalha com e-commerce e já realizou grandes projetos. Se a pessoa for abrir uma loja virtual ou já trabalha na área e quiser melhorar a sua operação, certamente vai extrair boas ideias e dicas, diz Mauricio Salvador”.

O livro possui 376 páginas e está disponível para compra no site:
 www.ecommerceschool.com.br/comprar-livro

segunda-feira, 10 de junho de 2013

Franquias: um novo caminho para o empreendedor da classe média

O termo "franquias" vem se tornando sinônimo do “sonho do Eldorado” para a classe média que deseja empreender. Acesse o segundo boletim Oportunidades & Negócios de 2013 para conhecer mais sobre essa tendência e ver dicas para ajudar na decisão de investir nesse negócio.

sexta-feira, 7 de junho de 2013

4 dicas de venda de roupas femininas

Fonte: Finslab.com  (adaptado)


Conheça o seu produto
No mundo do varejo de vestuário feminino, conhecer o seu produto é um requisito para o sucesso de vendas. Um amplo conhecimento dos produtos, designers, materiais e acessórios, garante ao cliente que você tem capacidade de atender às suas necessidades.

Conheça seu Cliente
Enquanto a venda de roupas de varejo para as mulheres pode parecer indicar um único tipo de cliente, isso está longe de ser verdade. Consumidores do sexo feminino podem cair em muitos perfis de compra, com base em fatores como nível salarial, o rendimento disponível, idade, etnia, educação, grupo social, localização e muitas outras variáveis.

Supere as objeções
A venda de roupas femininas em uma loja de varejo envolve muito mais do que apenas apontar o caminho para a seção desejada. Por definição, a venda é um verbo que requer uma relação de dar e receber entre vendedor e cliente. Por exemplo, o "eu estou apenas procurando" não deve ser o fim de sua interação. Isto pode significar "eu não encontrei o que estou procurando" ou "eu não tenho certeza do que eu quero." Acompanhar as perguntas e envolver o cliente em uma discussão, sem ser agressivo, pode levar a uma venda.

Ouça a sua cliente
Ao falar com uma cliente, tenha tempo para ouvir e interpretar o que ela está dizendo. As respostas podem ajudar a identificar preocupações com custos, problemas de dimensionamento, de preferência de cor ou indecisão. Entender as necessidades do seu cliente e expectativas pode ajudar a evitar perda de vendas.

quinta-feira, 6 de junho de 2013

Mercado de materiais de construção ecológicos vive "boom"

Fonte: Exame





O mercado de construção verde parece ter passado ileso pela crise econômica mundial. A demanda por edifícios sustentáveis continua em alta e desperta o interesse por produtos que também contenham credenciais ecofriendly.
De acordo com um novo relatório feito pela consultoria Navigant Research, o mercado mundial de materiais de construção ecológicos deve crescer dos atuais 116 bilhões de dólares para mais de 254 bilhões de dólares em 2020, um aumento de quase 120%.
"Materiais de construção verdes contam com tecnologias avançadas que reduzem seu impacto ambiental em relação aos produtos tradicionais e possibilitam melhor desempenho do edifício", diz Eric Bloom, analista sênior de pesquisa da Research Navigant.
O crescimento do mercado futuro de edifícios verdes e o uso proporcional de materiais verdes serão impulsionados, segundo o estudo, por uma combinação de políticas e regulamentações que priorizam a eficiência energética e design ecológico, a expansão de programas de certificação voluntária para edifícios e pela redução de custos dos materiais.
Além disso, a demanda do consumidor por esse tipo de edifício e a crescente evidência de que eles conferem vantagens de mercado quantificáveis - que vão da economia de energia e corte de custos operacionais à valorização imobiliária – também deverão contribuir para a alta desse mercado, avalia a consultoria.

quarta-feira, 5 de junho de 2013

Sebrae/PR realiza evento voltado ao varejo de moda e vestuário





Perfil do consumidor, gestão de marca e desenvolvimento de coleções serão alguns dos temas abordados no evento Gestão em Negócios de Moda

De 17 de junho a 06 de agosto, o Sebrae Paraná promoverá uma série especial de workshops, debates e consultorias para empresas voltadas ao setor varejista de moda e vestuário. A iniciativa, Gestão em Negócios da Moda, realizará os eventos nas cidades paranaenses de Maringá, Apucarana, Francisco Beltrão e Terra Roxa - municípios onde se concentram as maiores redes do setor na região.
Um dos objetivos é orientar empresários para que desenvolvam e incorporem diferenciais em suas coleções e marcas. Serão abordados assuntos como a compreensão do perfil de seus consumidores, a utilização de elementos, a gestão de marca e o desenvolvimento de coleções voltadas às expectativas do mercado-alvo.

A coordenadora estadual do setor do Vestuário do Sebrae PR, Carla Werkhauser, explica que essa preocupação do Sebrae/PR se deve principalmente ao momento que o setor atravessa, especialmente devido à forte concorrência com produtos asiáticos que entram no varejo brasileiro em larga escala e a baixo custo."Marcas consolidadas no mercado da moda, já perceberam que só é possível concorrer com países como a China se monitorarem o comportamento e sinais da sociedade. A produção de artigos que considerem a influencia de formadores de opinião no Brasil, como as novelas, além de design diferenciado e qualidade, são estratégias que já se mostraram acertadas", analisa a coordenadora.

Para saber mais  informações ligue: 0800 570 0800 ou clique aqui

terça-feira, 4 de junho de 2013

Festival de Inverno vai movimentar centro histórico de Curitiba


Durante '1º Papo de Negócios em 90 Minutos', que aconteceu no Solar do Barão, nesta terça, dia 28, rede de empresários anunciou evento, de 9 e 13 de julho
Da Redação

Com um pouco mais de um ano de vida, a Rede Empresarial do Centro Histórico de Curitiba já está a todo vapor. Durante o '1º Papo de Negócios em 90 Minutos', que aconteceu na última terça-feira, dia 28, no Solar do Rosário, o grupo fez um balanço dos trabalhos em cooperação já realizados para valorizar a identidade histórico-cultural e estimular o desenvolvimento econômico da região. Os empresários também aproveitaram para divulgar as futuras ações, como a primeira edição do Festival de Inverno do Centro Histórico que vai acontecer entre os dias 9 e 13 de julho, deste ano.
De acordo com Lúcia Casillo Malucelli, proprietária do complexo cultural Solar do Barão e uma das associadas da Rede Empresarial, a ideia é mobilizar a região do centro histórico, que vai do Largo da Ordem até a Rua Riachuelo e Paço da Liberdade Sesc Paraná, com um evento voltado para a arte, cultura e gastronomia. “Estamos trabalhando para tornar o centro histórico mais atrativo e os eventos vão ajudar a trazer de volta às ruas a população curitibana e as famílias, não só os turistas. No Festival de Inverno, cada empresa envolvida vai ofertar uma programação cultural, além dos seus serviços e produtos”, antecipa.
O ‘1º Papo de Negócios’, realizado em parceria com o Sebrae/PR e Sistema Fecomércio Sesc Senac PR, foi promovido como intuito de sensibilizar outros empresários da região – onde existem em torno de 300 empreendimentos – para participarem da Rede Empresarial. Um café da manhã com produtos elaborados pelos associados da entidade foi servido para cerca de 40 convidados. “Para que os nossos eventos fiquem mais fortalecidos a gente precisa de mais ideias e mais união”, reforça Lucia Casillo.
Mediado pela jornalista Mira Graçano, o bate-papo foi voltado, primeiro, para o debate dos desafios de atrair e reter bons profissionais para o comércio, tema apresentado pela consultora do Sebrae/PR, Walderes Bello. “O evento foi muito positivo, tivemos a participação de várias entidades, políticos e empresários, que demonstraram o interesse em fazer parte da iniciativa”, avalia. O evento seguiu com a participação de representantes da Rede Empresarial e uma retrospectiva da criação da entidade e das ações realizadas nas áreas de segurança, desenvolvimento empresarial, eventos, comunicação e marketing.
“Trabalhamos agora com um planejamento estratégico e recebemos todo o suporte do Sebrae/PR para capacitação dos empresários e seus colaboradores e implantar melhorias nos estabelecimentos, como as boas práticas de segurança alimentar. Para conhecer os frutos do trabalho em grupo, fizemos missões técnicas a Porto Alegre (no Rio Grande do Sul), e Tiradentes (em Minas Gerais). A cidade mineira de 7 mil habitantes registra a circulação de 45 mil pessoas durante o maior festival gastronômico do País. É fantástico e estamos nos inspirando nessas experiências”, explica Maria Bonamigo, associada à Rede Empresarial e dona do restaurante Jeito Mineiro.
Outro avanço conquistado pela Rede Empresarial foi a criação de uma home page com objetivo de apresentar, de forma organizada, as informações sobre o Centro Histórico. O grupo já trabalha para concluir o site oficial com mapas dos empreendimentos e dicas de compra, por exemplo, para facilitar a comunicação com os turistas e população. Também foram apresentados os resultados de dois eventos organizados pela associação, em 2012, que registraram sucesso de público: o Centro Histórico Divertido, em comemoração ao Dia das Crianças, e o Natal no Centro.
“Achamos a iniciativa muito interessante e vai trazer melhorias para toda região. Já observamos inclusive algumas melhoras na segurança, por exemplo”, conta um dos sócios do Estúdio Leite Quente, Rafael Wensersky. “Fiquei bastante entusiasmado. Eles estão trabalhando de forma organizada e trazem benefícios para toda a região do setor histórico. Eu quero participar da Rede Empresarial”, diz Odislei Parana  Silva, diretor do Curitiba Hostel.
O ‘1º Encontro de Negócios em 90 Minutos’ recebeu o apoio da Prefeitura de Curitiba, do Instituto Municipal de Turismo, da Regional Matriz e da Fundação Cultural de Curitiba.
Associação
A Associação Rede Empresarial do Centro Histórico de Curitiba comemora os resultados de uma articulação, que, há cerca de um ano, transforma a região central da capital paranaense. Na semana passada, a entidade foi legalmente constituída, durante assembleia, com a composição da diretoria executiva, conselho deliberativo e conselho fiscal, além da aprovação do estatuto social. Atualmente, associação é constituída por 15 empresários da região.
Em 2012, o Sebrae/PR e o Sistema Fecomércio Sesc Senac PR identificaram o potencial da região histórica de Curitiba e mobilizaram os empresários para criar um grupo, que deu origem à Rede Empresarial do Centro Histórico de Curitiba. A proposta de dar uma nova ‘cara’ à região central de Curitiba começou, desde 2008, com a revitalização do entorno do Paço da Liberdade, uma parceria entre as entidades e a Prefeitura Municipal, e também para preparar os empreendimentos para a Copa de 2014.
Informações para a imprensa:
Savannah Ações em Comunicação - empresa licitada do Sebrae/PR
Jaqueline Gluck (41) 3035-5669 ou (41) 9602-7541
Assessoria de Imprensa Sebrae/PR - Regional Leste: Flora Guedes
(41) 8814 1046  -  jornalismocuritibal@savannah.com.br
Leandro Donatti – Jornalista do Sebrae/PR –  (41) 3330-5895 ou (41) 9962-1754

segunda-feira, 3 de junho de 2013

6 dicas para um excelente serviço de entrega no seu e-commerce


A etapa que mais recebe reclamações no processo de compra em e-commerce é a entrega de produtos.
Qualquer descuido cometido em relação ao envio como ultrapassar o prazo de entrega, produto errado ou quebrado acaba na hora com o bom relacionamento entre a empresa e o cliente. E naturalmente o cliente vai falar da péssima experiência em redes sociais e sites na internet. Em pouco tempo várias pessoas podem estar sabendo da imagem negativa que sua empresa possui. Portanto, é fundamental que sua empresa tenha uma boa logística para atender bem seus clientes e oferecer um serviço eficiente de entregas de produtos.
Confira 6 dicas para você ter um excelente serviço de entrega e pós venda no seu E-commerce:

1) Prazo de entrega
Estabeleça sempre uma margem de segurança em relação ao prazo de entrega. Se a previsão de entrega é de 3 dias úteis, informe que vai chegar em no máximo 5. Isso é melhor do que prometer uma data que pode ser impossível de cumprir. Mesmo que o prazo de entrega do concorrente seja menor que o seu, seja honesto com seu cliente. No começo é provável que não tenha algumas vendas pelo prazo ser maior, mas com o tempo os clientes vão perceber que o concorrente atrasa a data estabelecida e vão escolher a sua loja virtual por cumprir o que foi informado no momento da compra.

2) Rastreamento
Possibilite ao cliente acompanhar no conforto de casa todas as fases do processo de compra, desde a aprovação do pagamento até transporte do produto. Isso demonstra que a sua empresa é bastante profissional e transmite mais segurança.

3) Empresas de serviço de entrega
A escolha das empresas que serão responsáveis pelo serviço de entregas é muito importante. Correios dominam cerca de 70% desse mercado, mas existem outras empresas alternativas. Como é o cliente que paga o frete, pesquise valores agradáveis para o bolso dele e ofereça diferentes opções de envio como transportadora, motoboy, Sedex ou PAC.

4) Sistema de gestão
Todos os setores de sua empresa devem estar interligados através de programas de gestão empresarial, os chamados ERPs – Enterprise Resource Planning, capaz de integrar diversas áreas do e-commerce. A cada compra realizada no site, o sistema avisa que uma nova operação foi efetuada e imediatamente encaminha para o estoque para dar baixa e a logística fazer todo o trabalho de entrega. E quando o estoque precisar de mercadorias, um email pode ser enviado ao fornecedor por meio do controle de estoque automatizado.

5) Trocas

Tenha uma excelente logística reversa – a reentrada de mercadoria no estoque. Uma das coisas mais comuns em e-commerce é a troca de produtos, pois o cliente não pode testar o produto antes de comprar. Facilite as coisas para o cliente para que ele não se arrependa de comprar pela internet. Explique detalhadamente em seu site sobre os prazos, condições de troca e devoluções e também o reembolso do valor gasto.

6) Embalagens
Não é nada agradável para seu cliente receber um produto com embalagem rasgada ou aberta. É importante enviá-lo em material resistente e seguro. Um detalhe que você pode fazer para surpreender o cliente é utilizar embalagens personalizadas com a sua marca ou qualquer coisa que o diferencie da concorrência gastando pouco. Simples detalhes como carimbo personalizado nos pacotes, usar papéis coloridos ou adesivos encomendados além de darem um toque especial, fortalecem a sua marca na mente do cliente.

7) Comunicação  
Segundo a lei 6.523, instituída desde 2008 é obrigatório que empresas possuam SAC, isto, portanto, é básico e indispensável. O SAC deve ser usual, de fácil navegação e acesso. Há também os canais complementares, tais como chat, telefone e e-mail, que se fazem bastante úteis e necessários. A comunicação por meio das redes sociais é responsável por agregar novos clientes, bem como manter e fidelizar os consumidores. Sendo assim, aposte e invista em ações digitais.

Para os consumidores que gostam de saber mais sobre o site de compra, vale lembrar que o Procon-SP listou 275 endereços eletrônicos para ser evitados e  um desenvolvedor do Rio criou um aplicativo que os identifica e avisa se ao internauta se está navegando em uma das lojas virtuais listadas. O “Lista Segura” é uma extensão para o navegador Google Chrome. Pode ser baixado gratuitamente na Web Store, loja de plug-ins para o browser. Funciona assim: depois de instalar o aplicativo, em todas as vezes que um site da lista for acessado, um círculo vermelho com um “X” branco irá aparecer ao lado do endereço no navegador. Ao clicar no símbolo, serão mostradas as informações do site, como data de inclusão na lista do Procon e nome da empresa responsável.

Baixe o aplicativo aqui